Dia Mundial do Livro

“Que o papel fale e que a língua se cale.” Miguel Cervantes (1547-1616)

 

William Shakespeare nasceu e morreu no mesmo dia. Foi no dia 23 de Abril.

Penso que não poderia haver no ano, um outro dia mais apropriado do que este para ser o dia Mundial do Livro. Dia em que se comemora o nascimento e também a morte de um dos maiores e mais influentes poetas e dramaturgos do mundo.

Atravessando o tempo, a sua obra permaneceu até hoje viva no teatro, na televisão, no cinema e nos livros. Quem não leu e não se emocionou com “Romeu e Julieta”? Quem nunca disse “ To be or not to be: that’s the question” (Ser ou não, eis a questão) ao longo da vida? Frase que se encontra na sua obra “Hamlet”. Quem não viu ou ouviu falar no “Rei Lear”, “Macbeth” ou “Otelo”?

A reforçar esta data, Miguel de Cervantes, outro grande poeta, romancista e dramaturgo espanhol é sepultado a 23 de Abril de 1616, deixando-nos uma vasta obra onde “Dom Quixote” surge como um dos melhores romances jamais escritos.

Na minha opinião, não há data mais apropriada para comemorar o dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, sim porque para que um livro nasça tem de haver um autor e estes eram brilhantes.

Ao longo da história o livro sofreu inúmeras evoluções até chegar ao nosso tempo. Da pedra passou para o papiro, depois veio o pergaminho, a imprensa, até que na idade Moderna os livros se tornam portáteis, surgindo os livros de bolso e actualmente os electrónicos, oferecendo aos leitores novos géneros de literatura como o romance e a novela.

O livro tornou-se num dos mais importantes meios de divulgação da cultura e informação e ainda num dos mais relevantes recursos do sistema educativo.

Fosse como fosse, foi com o advento do livro que começou a haver hábitos de leitura na população que, apesar de estarem aquém do desejável, têm tido um incremento assinalável nos últimos anos, embora agora muito condicionado pela crise económica que se vive a nível global.

Esta data que serve para assinalar a importância do livro, tem também o mérito de nos alertar para a necessidade de alterarmos o nosso comportamento em relação à leitura, pois é o livro que nos proporciona o conhecimento e a vivência de novas experiências. É nesta partilha de diferentes olhares que um livro permite, que crescemos e evoluímos, caminhando em frente e abrindo novos horizontes.

Como disse William Shakespeare “Aceita o conselho dos outros, mas nunca desistas da tua própria opinião.” Nada como um bom livro para obter um bom conselho e ajudar a formar a nossa própria opinião.

Leiam, por favor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *